AS FASES DO LUTO



Mas o que é mesmo o luto? 
São sinais internos e externos que se associam à perda, podendo ser a morte de uma pessoa querida, a notícia de uma doença terminal ou mesmo a separação de um casal. No último caso há a morte da identidade do parceiro ou parceira. 

São cinco fases que uma pessoa passa na hora do luto, podendo não ser nessa ordem. 

A primeira é a NEGAÇÃO. Nesta fase é comum demonstrar uma aparente coragem. Você reage bem e chega acreditar que está bem. As pessoas até estranham como você se recuperou tão rápido. Pode ocorrer também neste momento, uma paralisação da pessoa e, assim, talvez não consiga dar andamento aos projetos que antes do luto seguiam a todo vapor. Isso ocorre pelo impacto da notícia do luto. 

A segunda fase é a RAIVA. Passado o choque inicial surge uma fúria repentina e a necessidade de culpar alguém. É comum se abastecer com a raiva para se sentir forte nesta fase. 

A terceira fase é a BARGANHA. Nela é comum se entregar à prática religiosa para obter alívio e tranquilidade. Neste momento é possível o perdão para que tudo fique bem. A pessoa já abandonou a negação e a raiva e busca outro recurso, que a torna mais dócil, reflexiva e serena. 

Na quarta fase vem a DEPRESSÃO e, é neste momento, que vem o sofrimento. As três fases anteriores não serviram para nada. A realidade da perda se revela nua e crua. E essa realidade vem acompanhada de desânimo, apatia, tristeza e choro. Porém, é nesta fase que a identidade da pessoa que se foi vai se diluindo. Se o luto for uma doença terminal a pessoa começa entender que ela não é a única naquela situação. 

A quinta e última fase é a fase da ACEITAÇÃO. Nela a pessoa aceita a perda com serenidade e equilíbrio. Neste momento o vazio ocasionado pelo luto é preenchido por amor e esperança.

O que aprendi com o Budismo - Parte 1


Estudando o livro “Caminho alegre da boa fortuna” no Curso do Programa Fundamental com o Monge Kelsang Drime, logo na primeira aula o tema abordado foi “O sofrimento”. Então, o objeto de meditação naquele momento seria o sofrimento.
Como assim? Meditar sobre o sofrimento? Que coisa mais deprimente. Você deve está se perguntando.
Não é bem assim. Quando meditamos temos que ter como referência um objeto. E por que não o sofrimento?
Existem três tipos de sofrimento:
1 - O sofrimento da dor manifesta - Que é qualquer sensação corporal ou mental desagradável se manifestando.
2 - O sofrimento de mudança - É quando encontramos uma solução temporária para a sensação desagradável, mas ela volta.
3 - O sofrimento subjacente - É a base de onde surgem todos os sofrimentos, exteriores e interiores.

Entendendo o sofrimento interior e exterior
Você está em um ônibus e senta ao lado de uma pessoa que fala sem parar. Você pensa: “Que pessoa chata”.
Uma pessoa chata, mal-educada é um sofrimento?
Pode até ser. Mas você já parou para pensar que o conceito de chata pode estar relacionado à sua capacidade temporária de lidar com as situações desafiadoras?
A nossa mente fraca tende a achar que a pessoa é chata, isso é o sofrimento exterior. O que você sente com essa situação é o sofrimento interior.
Portanto, não existe pessoa chata, existe mente frágil e despreparada.
Mas o que fazer para evitar tais situações?
Quando a sensação desagradável surgir, busque um método para fortalecer sua mente e não sentir mais isso.
O tamanho do problema é dimensionado pela maneira como você o vê. Vamos considerar que você realmente esteja sofrendo uma grande tragédia, que pode ser a perda de um ente querido ou uma doença, tudo vai depender de como você vê o problema. Pensar de uma forma positiva em um momento de dor é quase impossível, por isso que devemos treinar nossa mente com meditação para saber lidar com o sofrimento, porque certamente ele virá. Tem coisas na vida que não temos como fugir. Quem nunca teve um parente que adoeceu ou morreu? Envelhecer, adoecer e morrer é um processo natural.
Um exemplo bem simples de sofrimento, mas que nos transtorna bastante, é quando alguém nos agride física ou verbalmente. Aquilo fica remoendo dentro de nossas mentes e por muito tempo lembramos, falamos e revivemos todo o processo de sofrimento. É como se estivéssemos revivendo aquilo por várias e várias vezes. Na realidade estamos nos torturando. Ou seja, a pessoa nos agrediu ou nos feriu com palavras uma ÚNICA vez, porém, ao relembrar, estamos alimentando a dor e nos ferindo inúmeras vezes. O que fazer para solucionar este problema? A solução que encontrei foi meditar. Concentrei-me em um objeto e meditei sobre ele.

Agora vamos falar de prazer
O prazer é gostoso, certo? Comer um chocolate, amar loucamente uma pessoa por longos 25 anos, viajar… Mas acaba. E quando acaba o que sobra?
Para uma mente treinada e forte, quando aquela situação de prazer se esgotar, os bons momentos e as experiências construtivas terão ficado. Será possível entender que fazia parte da vida, acabar. Porque nada é permanente. A relação, a juventude, os recursos, o prazer acabam, mas restará os bons momentos de sabedoria, paz e entendimento.

A nossa mente fraca e poluída tende a mergulhar na tragédia, isso uma mente forte não vivencia. Tente pensar assim: Essas coisas acontecem, vou viver bem e me fortalecer.
Viva feliz a cada dia. Espelhe-se em pessoas que saem de grandes tragédias mais fortalecidas.

Objeto de meditação:
“Preciso encontra um método, colocá-lo em prática, fortalecer minha mente e me libertar permanentemente do sofrimento.”

Faça uma pausa no seu dia, sente-se em uma posição confortável, que pode ser apenas sentado em uma cadeira, concentre-se em sua respiração e repita a frase acima a todo momento que sentir que sua mente está se direcionando para outros pensamentos. No início sua mente vai querer correr para muitos lugares, traga-a de volta para sua respiração e para o objeto de meditação. Nossa mente é o nosso coração espiritual, devemos treiná-la. Ela é frágil e poluída. Devemos treiná-la para enfrentar todo e qualquer sofrimento. Assim, as tragédias ficam menos dolorosas. É incrível o poder que nossa mente tem de fazer tempestade em um copo de água quando não é treinada. Tudo fica feio, tudo fica triste, tudo fica chato e sem vida. Medite! Treine sua mente e viva melhor! Conheça o Centro de Meditação Kadampa Rio de Janeiro!

Motivação para o sucesso


Em sua página do facebook Pelé define sucesso assim: "O sucesso não é um acidente. É trabalho duro, perseverança, aprendizagem, estudo e sacrifício. Acima de tudo, é ter amor pelo que se faz ou pelo que se aprende."

Roberto Shinyashiki diz que "O sucesso é ser feliz".

E ontem Ana Maria Braga abriu o programa com outra definição de sucesso: "Diz que sucesso é o quão alto você salta depois de bater no fundo".

Qualquer pessoa almeja o sucesso, porém não utiliza de forma correta os meios para alcançar seus objetivos. E eu estou falando de qualquer tipo de sucesso. A definição do termo sucesso tem que estar dentro de você. Analise bem o que é sucesso para você e lute por ele.
Quantas vezes deixamos de progredir nos nossos objetivos porque somos barrados pelas circunstâncias. Ah... essa tal de circunstância. E às vezes são tantas. Surgem para nos paralisar, nos estagnar, mas devemos saltá-la sempre, ou desviar da talzinha.

Estamos em um período que é quase impossível pensar em obstáculos. Estamos dentro de uma Paraolimpíada. E, para simplificar, basta assistir uma única competição e entender de uma vez por todas que devemos saltar todo e qualquer obstáculo. Não importa se o atiraram na lama e lhe pisotearam. Levante-se! Não importa se você tentou e não deu certo. Tente outra vez, outra vez e mais uma vez. Tente mil vezes.

"Você pode encarar um erro como uma besteira a ser esquecida, ou como um resultado que aponta uma nova direção." - Steve Jobs

A vida está sempre nos desafiando. Viver é um desafio constante e o seu pior adversário é você mesmo, pois, se por algum motivo, você deixar se abater, nunca alcançará o tão sonhado sucesso. Por isso, tenha sempre pensamentos positivos. Pensar positivo atrai coisas boas. E quando algo de ruim acontecer, pense que talvez seja uma força superior arrumando cada coisa no seu lugar para que no final tudo fique BEEEM  melhor do que era antes.

Essa frase me fez lembrar um amigo que dizia assim: "O melhor ainda está por vir".

Não se deixe abater por pequenas frustrações ou por pequenos insucessos.
Siga em frente! Foco! Força!

Vou colocar aqui um vídeo que assisti e achei simplesmente incrível.

Espero que o texto tenha sido inspirador. Se gostou, compartilhe ou deixe sua opinião nos comentários.

WorkFlowy e o GTD



Já tentei muitas ferramentas para administrar minhas listas de tarefas e hoje apresento a que considero mais minimalista e perfeita. Ainda está em fase de teste, mas confesso que de todas que usei para mim essa é a melhor. Simples e prática e, para completar, consigo acessar no celular, tablet e notebook.
A ferramenta permite criar listas de tarefas e seu funcionamento é bem simples. Uma página em branco surge e nela você pode fazer sua lista item por item e acrescentar infindáveis sub-itens. Conforme for realizando as tarefas os itens são riscados, podendo ficar visíveis ou não. Gosto de deixá-los visíveis para me motivar, pois sinto que estou sendo produtiva. As listas podem ser púbicas ou privadas.
O sistema de busca é bem bacana e também é possível adicionar etiquetas do tipo @pessoal ou #trabalho ou ainda @05/09/2016 (uma data que queira executar a tarefa).

Para usar a ferramenta, o  processo é bem simples, basta fazer um cadastro no site http:// workflowy.com

Agora vou explicar como estou criando minhas listas.
Quem acompanha meu blog sabe que uso o método GTD para acelerar a produção das minhas tarefas, projetos e consultar meus objetivos para o futuro. Então fiz o seguinte:
Assim que me inscrevi me deparei com uma folha em branco. Criei duas listas: MENSAMENTE ( meses do ano que ainda restam) e OBJETIVOS (relacionados ao GTD, já falei dele aqui no blog)
Em MENSALMENTE, como já mencionei, criei o mês atual e os próximos meses do ano. Em OBJETIVOS criei os 6 níveis ensinados no livro "A arte de fazer acontecer" de David Allen, que ele classifica como: decolagem (ações atuais), 10 mil pés (Projetos atuais), 20 mil pés (Áreas de responsabilidade), 30 mil pés (Metas para um a dois anos), 40 mil pés (Visão para três a cinco anos) e 50 mil pés ou mais (Vida).

Agora voltando a ferramenta. Observe que em "Setembro" está com um círculo cinza. Isto significa que lá dentro tem sub-itens. No item mês de "Setembro" criei seis sub-itens e dentro do primeiro item tem uma nota, que aparece em um tom de cinza mais claro com a letra um pouco menor. Nesta nota tem um texto que leio diariamente. No item "Planejar semana 1" tem mais três itens: "Trabalho 1", "Trabalho 2" e "Pessoal". Dentro de todos os itens tem sub-itens, que poderão ter outros sub-itens. No item "Pessoal", o que está riscado foi o que já foi concluído. Observe que utilizei a etiqueta @05/09/2016, que corresponde a data de hoje. Fazendo assim, bastou fazer a busca com essa etiqueta e apareceu tudo o que tinha que fazer hoje.

Na imagem abaixo está em destaque tudo relacionado aos níveis do GTD. Desta forma fica bem legal para fazer uma revisão de todos os projetos e objetivos que tenho para minha vida inteira.  
Em "Ações Atuais" vou colocando tudo que tenho para fazer, funciona como uma caixa de entrada. Lembrei que tenho que fazer, coloco ali. Em "Projetos Atuais", estão os projetos que estou trabalhando no momento e crio sub-itens para cada tarefa do respectivo projeto. O item "Áreas de responsabilidade atuais" foi dividido em  @Pesssoal e @Profissional. Em Pessoal coloquei 8 itens. Observe o item "Espiritualidade". São os objetivos que quero ao trabalhar a minha espiritualidade e assim foi feito com os outros também, ou seja, no item "Áreas de responsabilidade atuais" não tem tarefas, lá estão os meus objetivos pessoais e profissionais separados por áreas de foco. O mesmo ocorre com os itens "Metas para 2 anos", "Metas de 3 a 5 anos" e "Metas para vida". 

Para relacionar o item MENSALMENTE com OBJETIVOS estou fazendo da seguinte forma. Dentro de "Ações atuais" estão todas as tarefas que preciso executar e em "Projetos atuais" tem outras tantas. Verifico cada tarefa que tenho para executar e vou arrumando dentro das semanas do mês correspondente. Para isso basta abrir um dos dois itens, verificar quais tarefas serão arrastadas para a pasta da semana que for mais conveniente. Se tiver um tiver um dia específico, marco com a etiqueta @data. 

E você, que ferramenta tem usado para organizar suas tarefas?
Já conhecia a ferramenta Workflowy?
Adoraria saber sua opinião sobre este artigo.

Iniciando o processo para manter a casa limpa e organizada



O segredo é caminhar lentamente. Vá inserindo novos hábitos aos poucos, pois se tentar fazer tudo de uma vez irá desistir e sentir que fracassou mais uma vez.
Comece pensando em duas atividades bem simples que terá que tornar um hábito como escovar os dentes. Essas duas novas atividades deverão ser trabalhadas por uma semana inteira. Na segunda semana acrescente mais duas. Experimente inserir duas atividades pela manhã antes de ir trabalhar (se for o caso) e na segunda semana duas à noite. Veja algumas sugestões de atividades:
- Arrumar a cama;
- Colocar as toalhas de banho no sol;
- Manter a pia limpa e seca;
- Colocar as roupas na máquina de lavar;
- Estender as roupas;
- Escovar o vaso sanitário;
- Retirar o lixo das lixeiras;
- Esticar a manta do sofá e organizar as almofadas;
- Varrer o chão;
- Limpar o fogão;
- Dar comida e trocar a água de seu animal de estimação.
- Esfregar o box (pode ser na hora do seu banho).

Essas são apenas sugestões. Olhe ao seu redor e veja o que mais lhe incomoda e escolha duas coisas para deixar sua casa limpa e organizada. Faça duas coisas pela manhã durante uma semana sem falhar nem um dia. Na segunda semana, continue fazendo o fez na semana anterior e repita o processo de olhar ao redor e escolha mais duas coisas para fazer à noite. É muito importante não falhar nem um dia, pois para adquir hábitos temos que repetir, repetir, repetir.
Vá inserindo novas atividades no decorrer de uma nova semana.

E então? Conseguiu? Espero que sim. Porque agora você vai enfrentar um novo processo.
O próximo passo é destralhar. Aguarde um novo post!

Conte como você consegue manter sua casa limpa e organizada! Diga o que achou do post!!

DICAS PARA ESCRITORES INICIANTES


Algumas pessoas acham que escritores já nascem escritores. Isso não é verdade. Claro que tem pessoas que tem maior facilidade para colocar as coisas no papel, enquanto outras são melhores falando. O que as pessoas precisam fazer, é exercitar diariamente.
Quando queremos um corpo sarado, o que temos que fazer? Exercitá-lo. Com a escrita não é diferente.

O que fazer para despertar o escritor que dorme dentro de você?
Gosto de escrever, mas não tenho tempo. A desculpa de todos é a mesma. Não sei como fulano conseguiu escrever um livro com tantas páginas. Por que ele consegue escrever diariamente e eu não? Sei que tenho mais potencial que ele. Por que ele consegue e eu não?
A resposta é simples. Fulano escreve.

Dicas que acho fundamentais
Escreva todos os dias. Faça um acordo com você mesmo e escreva todos os dias. Nem que seja um único parágrafo. E leia diariamente também. Procure ler livros que goste. Releia os que já leu, mas agora leia com o olhar de um escritor. Seja crítico. Veja o que não é bom no livro, o que não lhe agradou também. Isso o ajudará a não cometer os mesmos erros. Perceba quem narra a história, como são os personagens e o tipo de linguagem de cada um. Só assim poderá preparar bem seus diálogos quando resolver colocar uma história no papel.

Não sabe como começar?
É comum não saber por onde começar. Por isso estou deixando aqui alguns exercícios que poderão ser transformado em um conto, uma crônica e até mesmo em um romance.
Faça os exercícios e guarde-os em pasta no computador ou em uma pasta física. Não os jogue fora. Tenho certeza que serão aproveitados para alguma cena de um livro no futuro ou quem sabe seja o começo de uma grande história.

Execício 1
Observe as pessoas ao seu redor, em sua casa, na padaria, no restaurante, no transporte e escreva sobre elas. Escreva sobre o comportamento de cada uma delas, suas reações ao beber, fumar, mastigar, gargalhar. São tantas coisas que poderá escrever e você nem imagina. Observe suas características físicas e também psicológicas, caso tenha conseguido captar.
É bom que ande com bloco de anotações para anotar um pequeno resumo do que observou. Quando chegar em casa passe a limpo e enriqueça com maiores detalhes. Há quem use o bloco de notas do celular para fazer essas anotações.

Exercício 2
Um outro exercício bacana é escrever sobre seu estado de espírito todos os dias. Escreva só para você. Ninguém precisa ler. Escreva apenas como um exercício diário.

Exercício 3
Outra ideia que me agrada bastante é a de relembrar a infância. Traga suas memórias para o presente e despeje-as na tela do computador ou em uma folha de papel em branco.

Exercício 3.1
Relembre algum aniversário. Qual era o tema? O que vestia? Como se comportou? Qual o presente que mais gostou? Quem compareceu? Teve brincadeiras? Quem não foi e que você sentiu muito a ausência? Escreva todas as lembranças que vier em sua cabeça. Escreva como se estivesse contando para alguém como foi e como se sentia naquele momento.

Exercício 3.2
Seu primeiro dia de aula. Escreva sobre ele. Se não lembrar do primeiro dia, escreva sobre um dia marcante na escola. Como era seu uniforme? Quem te levou à escola? Como era o nome da professora? Como era a sala de aula? O que você fez na aula? Quantos anos tinha? O que sentiu? Como eram os colegas de classe?

Bem esses são alguns exercícios. Em breve vou disponibilizar outros.
Espero que tenha gostado.

Se gostou, dê um like e compartilhe com os amigos! Não esqueça de comentar.

Língua Portuguesa - Chatinha, né?


“Não tive saída. Entrei. E, assim que coloquei o primeiro pé na sala a turma toda riu de mim mais uma vez. Um garoto com cara de retardado gritou: “Caiu toda mole parecendo uma geleca”. Vitor Hugo gritou primeiro e depois quase todos gritaram também: “Amoeba! Amoeba! Amoeba!”.

O que fazer quando você vira motivo de risada logo no primeiro dia de aula na nova escola?

Camila é uma menina de 11 anos, que não está nem um pouco feliz por ter que trocar de escola e se vê em apuros quando a professora sugere um troca-troca de redações logo no primeiro dia de aula. Ao ler a redação de Camila, Fernanda aponta seus erros de ortografia fazendo a turma toda zombar da menina, isso acaba gerando uma rivalidade entre as duas, que aumentará quando começarem a disputar a atenção do mesmo menino. O fato também faz Camila odiar a Língua Portuguesa e provoca conflitos em sua casa, onde vivem ela, a mãe, a irmã mais velha, e os gêmeos Carol e Lucas.
Quem nunca viveu um conflito na escola? Quem nunca levou um bilhete da diretora para casa?
O livro “LÍNGUA PORTUGUESA – Chatinha, né?” vai agradar em cheio leitores de todas as idades. Embarque nessa aventura!

Meu novo livrinho.

Em breve na Amazon!



GTD - ORGANIZAR


Já parou para pensar no número impressionante de coisas que você tem para fazer todos os dias? Não importa qual seja o seu trabalho. Você pode ser um executivo, um professor, um vendedor ou nem trabalhar. Mas sempre terá várias coisas que precisam ser executadas, isto é fato.
Bem, GTD é o que eu considero um “empurrão” para a produtividade. É a arte de fazer as coisas acontecerem. O objetivo é estabelecer uma sensação de conforto e controle sobre tudo o que você tem ou deseja fazer, tornando possível descansar a sua mente.
É comum as pessoas tentarem manter o controle de tudo o que precisa ser feito em suas mentes, o que é, sem dúvida, um grande erro.
O que ocorre quando insistimos em armazenar tudo em nossas mentes? Ficamos estressados e as coisas não acontecem. Nossos cérebros são preparados para a tomada de decisões rápidas e não de armazenagem. Por isso, o aconselhável é colocar no papel tudo que se tem para fazer e retirar totalmente de nossas mentes.
Tenha papel e caneta sempre consigo. Afinal, você nunca sabe quando terá uma ideia ou lembrará de algo que tem para fazer. Pode ser um bloquinho, caderninho ou um Pocketmod. É bem simples fazer um utilizando apenas uma folha A4. Vai caber na sua carteira. Caso tenha, pode usar o bloco de notas do seu celular.
Aprenda a fazer um Pocketmod aqui!

O simples ato de anotar tudo e tirar da sua cabeça vai fazer até o seu sono melhorar, pois já passei por isso e, por muitas vezes, tive o sono perturbado com a preocupação de esquecer coisas que tinha para fazer no dia seguinte.

O método GTD se baseia em cinco passos: coletar, processar, organizar, revisar e executar.
Hoje o foco é no terceiro passo:

ORGANIZAR – É colocar cada item processado no lugar certo. David recomenda criar listas por contextos. As listas podem ser do jeitinho que você quiser, em caderno dividido por tags, em aplicativos para celulares, no computador. O que for melhor para você.
O GTD é um método e todo método tem que ser implantado aos poucos. Portanto, não será de uma hora para outra que você vai conseguir organizar tudo, pois, a medida que for organizando, outras ideias, e-mails, contas e outras coisas mais vão chegando. É preciso ir organizando e escolhendo o melhor local para ela. Tenho por hábito colocar tudo em uma “Caixa de Entrada” na ferramenta que escolhi para usar (Evernote), já falei um pouco dele aqui no blog.

David Allen sugere 7 categorias dentro de uma perspectiva de organização. A ideia é que cada coisa fique em seu lugar para facilitar a vida, deixar a mente livre e a produtividade acontecer. São elas:
1. Lista de projetos - Projeto é tudo que requer mais de uma ação, ou seja, se não puder ser feito de uma só vez, é um projeto. Crie lista de projetos.
2. Material de suporte a projetos - Aqui você vai organizar tudo que for relacionado ao(s) projeto(s).
3. Ações e informações inseridas na agenda - organize suas próximas ações (qualquer coisa que não poderá ser executada neste momento ou em menos de dois minutos) em listas como se fosse um lembrete. Não coloque nada disso em sua agenda. Coloque em sua agenda somente o que tem que ser executado naquela data específica, como por exemplo, consulta médica, pagamento da prestação do carro, reunião escolar…
4. Lista de próximas ações - Exatamente como expliquei no item 3, só que para facilitar ela pode ser organizada por contexto. Vou colocar alguns dos exemplos de listas de contextos que uso atualmente: @Blog, @Computador, @Ideias para escrever, @Projetos, @Algum dia talvez, @ Casa…
5. Lista em espera - É quando a próxima ação depende de outra pessoa, você tem que fazer um lembrete apenas.
6. Material de Referência - Não são ações, nem lembretes. São recursos para sustentar suas ações e reflexões sobre seus projetos. Você fez sua lista de projetos, determinou as ações para executar o projeto e as colocou em seu devido lugar. Quando chegar o momento de executar tal ação é a hora de consultar seu material de referência, que pode ser um simples número de telefone de alguém, até um mapa mitológico. Isso vai depender do seu projeto.
7. Algum Dia Talvez - São coisas que você não tem certeza se quer fazer ou não. Gerou dúvida? Coloque na sua lista de “Um dia talvez…”. Aqui também podem ser inseridas as coisas que você quer fazer mais não tem ideia de quando fará.

Bem, essa é a maneira como eu procedo no terceiro passo do método GTD. Sugiro sempre que leia o livro. Lá as explicações são detalhadas e com certeza terão detalhes que não tiveram importância para mim, mas que possivelmente poderão ser fundamentais para você.

Aqui é possível ver um resumo do GTD. E se desejar saber os dois passos já explicados é só clicar em COLETAR e PROCESSAR.

Se gostou, comente! Se tiver alguma dúvida deixe no espaço para comentários. Terei prazer em explicar.

LINGUAGEM


É qualquer processo de comunicação: a fala, os gestos, a dança, a escrita, sinais de trânsito, placas, cartazes, etc.
Cada povo tem um código linguístico (língua ou idioma). A língua é um sistema gramatical que pertence a um grupo  de indivíduos, adotada para permitir o exercício  da  linguagem entre os homens.
A utilização da língua pelo indivíduo denomina-se fala.
A linguagem é um processo de comunicação de uma mensagem entre dois ou mais seres, sendo um o emissor, e o  outro o receptor. Podendo haver linguagem verbal e linguagem não verbal.
A linguagem verbal é a linguagem utilizada entre duas ou mais pessoas através da fala.
A linguagem não verbal é a linguagem que nos permite utilizar outros meios de comunicação sem ser a fala.
Exemplos:
1- Quando avistamos um semáforo onde sua luz está vermelha, sabemos que temos que parar, neste caso, houve comunicação utilizando a linguagem não verbal.
2- O desenho de uma menina ou mesmo uma bolsa nas portas de banheiros femininos também é um caso de linguagem não verbal.
3- Outro caso muito comum é que em determinados lugares encontramos placas ou cartazes com o desenho de um cigarro e um faixa vermelha no meio, indicando que não pode fumar naquele local.
Nos três exemplos houve mensagem, emissor e receptor. A única coisa que não ocorreu foi a fala.
A mensagem é o que enviamos ao receptor através de um código, podendo  ser escrita, falada, gesticulada, etc.
O emissor é aquele que envia (emite) a mensagem.
O receptor é aquele que recebe a mensagem.

GRAMÁTICA
É o conjunto de regras que utilizamos para estudar os elementos de uma determinada língua.

Compreende a gramática três partes:
1 - FONÉTICA E FONOLOGIA - É o estudo dos fonemas (sons da fala). Estude Fonemas aqui!
2 - MORFOLOGIA - É o estudo da estrutura, formação e classes de palavras.
3 - SINTAXE - É o estudo da construção das frases.

FONÉTICA E FONOLOGIA
FONÉTICA - É a parte da gramática que estuda as variações que podem ocorrer nos fonemas.
FONOLOGIA - Também chamada de fonêmica ou fonemática, é a parte  da gramática que estuda os fonemas, tomando-os como unidades sonoras capazes de criar diferenças de significados.

OS SONS DA FALA
Os sons da fala resultam das modificações que a corrente de ar sofre durante o seu trajeto pelo aparelho fonador.
Antes de estudarmos fonética vamos aprender um pouco mais sobre o aparelho fonador. Isto tornará mais fácil o aprendizado.

APARELHO FONADOR
O aparelho fonador é o conjunto de órgãos do  corpo humano adaptados ao ato da fala. Compõe-se das  seguintes  partes:  pulmões, brônquios, traquéia, laringe,  faringe, boca e fossas nasais.
Os pulmões, os brônquios e a traquéia são órgãos respiratórios que fornecem a corrente  de  ar,   matéria-prima de fonação.
A laringe, onde se localizam as cordas vocais, que produzem a energia sonora utilizada na fala.
A faringe, boca e fossas nasais (cavidades supralaríngeas), que funcionam como caixa de ressonância.

Caso queira fazer referência ao texto em um trabalho escolar ou acadêmico, copie os dados abaixo:

COMO REGISTRAR UM LIVRO




Você passou um bom tempo escrevendo o seu livro, revisou umas duzentas vezes e agora chegou o momento de registrar sua obra.

Considerando que você é o único autor da obra, tem mais de 18 anos e é pessoa física siga os passos abaixo e registre seu livro. Se o seu caso for diferente, deixe perguntas no espaço para comentários ou entre em contato pelo formulário de contato, que terei prazer em explicar.

1. Imprima uma cópia da obra completa usando de preferência folha A4, fonte arial, tamanho 12. A Biblioteca Nacional tem como preferência folha A4. A fonte e o tamanho é por minha conta. Não encaderne, nem grampeie (deixe as folhas soltas, porém em ordem), numere as folhas e rubrique TODAS. Ah! Não imprima frente e verso.

2. Faça uma capa com o nome da obra e os seus dados. São eles: Nome completo, RG, CPF, Cidade e ano.

3. Entre no site da Biblioteca Nacional. Clique em “Serviços”, “Direitos Autorais” e faça download do Formulário de Requerimento de Registro ou Averbação, imprima e preencha da seguinte forma:
Faça um “X” no quadradinho no alto da página onde está escrito “Requerimento para Registro”;
No item 2.1 coloque o título da sua obra;
No item 2.2 marque o gênero (exemplo: Romance);
No item 2.3 marque “inédita” (estou considerando que ela nunca foi publicada em nenhuma tipo de plataforma;
No item 2.4  coloque o número de páginas impressas no word no formato A4. Não se preocupe com o número de páginas que a obra terá quando for diagramado no formato de livro.

Agora pule para o item 3 e preencha com seu dados pessoais e endereço, incluindo o CEP. Preencha cuidadosamente, pois é para esse endereço que será enviado o seu certificado de registro. No item 3 ainda, em “VINCULO COM A OBRA”, marque “autor(a)”. Assine onde está escrito “Assinatura do requerente”.

Se ainda tiver dúvida, veja o exemplo nesta imagem



Vá para o item 7, coloque o local (Exemplo: Rio de Janeiro), a data e assine onde está escrito “Primeiro requerente”.



Ainda na página de serviços abra a tabela de valores para registro e/ou averbação de obra intelectual e serviços de registro. Verifique o valor de Registro e/ou averbação para pessoa física. O valor atual é R$ 20,00.
Para gerar o boleto. Clique aqui, preencha com seu nome completo, CPF e o valor que consta na tabela (R$ 20,00 hoje). Agora Imprima a GRU (Guia de Recolhimento da União) e pague no Banco do Brasil.
Tire uma cópia do comprovante de pagamento e do formulário e guarde com você, pois terá que enviar o original com a obra.

Agora  que você já imprimiu sua obra com a numeração, rubricou, fez a capa, preencheu o formulário e pagou a GRU é hora de providenciar as cópias do RG, CPF e comprovante de residência.

Tudo está certinho?
Vamos verificar!

- Requerimento de Registro e/ou Averbação preenchido e assinado;
- Comprovante original de pagamento (GRU paga);
- Cópia do comprovante de residência;
- Cópia do RG e CPF.
- Uma (1) via da obra intelectual. Ela deve ter todas as páginas numeradas e rubricadas, as folhas não podem estar grampeadas ou encadernadas e preferencialmente impressa em papel A4;


Depois de tudo pronto. É hora de enviar pelos correios ou ir pessoalmente a um posto ou sede de Direitos Autorais em sua cidade. Aqui no Rio de Janeiro a sede fica no Palácio Gustavo Capanema - Rua da Imprensa,16 - 15º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20030-120
Procure aqui o posto da sua cidade! Vá até lá ou ligue para tirar suas dúvidas.

Caso a sua escolha seja enviar pelos Correios, é importante que toda documentação seja enviada
por SEDEX ou Carta Registrada para a sede do EDA no Rio de Janeiro.

Viu? Não é nem um bicho de sete cabeças.  Agora é só aguardar o prazo que costuma ser de 90 dias para receber seu certificado de registro.

Espero que tenha gostado da dica!
Se tiver alguma dúvida é só deixar nos comentários!!