01 outubro, 2013

Entrevistas

Entrevista para o blog CANTINHO JU OLIVEIRA 

Oi gente! Venho trazer hoje pra vocês a primeira entrevista do blog. Espero que a primeira de muitas hehe. E a primeira a ser entrevistada  aqui pelo blog é a queridíssima Valéria Araújo. Ela sempre foi muito querida e simpática, sem contar que o livro dela é o máximo! Quem ainda não leu a resenha, pode ler AQUI.  Então é isso, espero que gostem da entrevista e comentem!!! E fiquem ligados no blog porque logo, logo vai ter sorteio de  “Meu marido foi embora. E agora? aqui no blog.

Primeiramente muito obrigado por aceitar ceder a entrevista para o Blog.
R: O prazer é todo meu. É muito bom poder contar um pouquinho de mim e do meu livro.

Quem é Valéria Araújo?
R: Tenho 44 anos, sou divorciada, mãe de um menino de 12 anos. Meiga, porém geniosa. Amo a vida e, tudo o que faço, é com amor.

Você sempre quis ser escritora?
R: Não. Nunca sonhei ser escritora.
Sempre gostei de escrever, mas escrevia como quem guarda um segredo.
A ideia de escrever um livro surgiu quando engravidei, mas não era um romance, era uma gramática. Ela está praticamente pronta, faltando apenas terminar o capítulo relacionado à pontuação. Abandonei a ideia, quando meu filho nasceu. Recentemente, pensei em dividi-la em partes para uma possível publicação.

Quando começou a escrever o livro?
R: Quando me separei, comecei escrever o meu drama, como quem desabafa com uma amiga. Fiz muitas adaptações e assim surgiu, meu primeiro livro: “Meu marido foi embora. E agora?”.
Achei que a história de Helena precisava ser contada para o mundo e foi neste momento que o sonho de ser escritora aflorou.

De onde veio à inspiração para “Meu marido foi embora. E agora”?
R: De várias situações que vivi e presenciei.

A pergunta que não quer calar: Em quem você se inspirou para criar o
personagem Rodrigo? Ele é tão insuportável que chega ser difícil acreditar
que exista alguém em quem ele tenha sido inspirado, hehe.
R: Rodrigo foi inspirado em vários homens.
Depois que me separei, conversei muito com mulheres separadas e passei a observar conversas nas ruas que abordavam o assunto.
Nas aulas de Direito Civil, os Rodrigos estavam lá, em cada exemplo que era comentado.
Assim surgiu, Rodrigo.

E Helena, em quem você se inspirou para escrever a personagem e qual sua semelhança com ela?
R: Helena tem muito de mim. Não tudo, é claro.
Sou determinada como Helena e supermãe.
Costumo dizer que Helena é uma colchinha de retalhos e eu sou um quadradinho.

Quanto tempo levou para finalizar o livro?
R: Levei um ano, aproximadamente.
O livro teria um pouco mais de 300 páginas, mas tive medo de publicar um livro independente com tantas páginas, pois ficaria caro e não atingiria meu objetivo principal, que seria alcançar as pessoas que não tem muito o hábito de ler. Assim, retirei alguns capítulos.
O livro tinha um enredo linear. Começava com Helena ainda criança. Quando retirei os capítulos, fiz algumas adaptações.
Quando o site ficou pronto e pensei em divulgar o primeiro capítulo, refiz todo o texto, pois o primeiro capítulo não iria causar impacto aos leitores. O enredo deixou de ser linear. Acho que assim ficou bem melhor.
Penso em aproveitar os capítulos retirados para uma possível continuação, eles entrarão como lembranças de Helena.

Você tem alguma outra atividade profissional além de escritora?
R: Tenho sim. Sou professora de Língua Portuguesa e tenho uma tenda de açaí.

Está escrevendo algo, no momento ou tem planos para o futuro?
R: Estou na fase de revisão de um livro que tem um título ainda provisório: “Eu odeio Português”. Ele conta a história de uma menina de 11 anos que se vê em apuros por conta de suas notas em Língua Portuguesa.
O livro é muito engraçado. Os adolescentes vão se identificar muito com a personagem.
Depois dele, pretendo continuar com a história de Helena que desta vez será abandonada por Marina. No segundo livro, Marina terá 12 anos e surpreenderá Helena com a notícia de que quer morar com o pai.

Você encontrou alguma dificuldade para publicar o livro?
R: Não enviei meu original para nenhuma editora avaliar. Na realidade, a publicação só aconteceu por incentivo das amigas, que leram e quase me intimaram a publicar…rsrs…

Alguma dica para quem também quer ser escritor?
R: Observe tudo a sua volta, anote se for preciso, cada situação que achar aproveitável para inserir em uma história. Anote cada ideia que tiver.
Leia muito. A leitura é a melhor ferramenta para um bom escritor.

Agora umas rapidinhas pra gente te conhecer melhor:
Um livro: Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco.
Um(a) autor(a): Nicholas Sparks.
Uma música: Believe (Cher).
Um filme: Meu pai, uma lição de vida.
Uma atriz ou ator: Nicolas Cage.
Um livro que gostaria de ter escrito: A Bolsa Amarela de Lygia Bojunga

Muito obrigada pela entrevista. Adorei! E para quem quiser acompanhar o trabalho da Valéria é só seguir:



Entrevista para o BLOG BOOKAHOLIC

É com muito carinho que apresento a vocês um pouquinho mais da vida e da obra da Valéria Araujo! Se não leu ainda a resenha, se ainda não comprou seu livro, corra! E até o fim da semana tem surpresa por aqui ;) Senhoras e senhores, com vocês: Valéria Araujo!




1) “Meu Marido Foi embora, E agora?” É seu primeiro livro publicado. Como é a sensação de tê-lo em mãos? Fale-nos um pouquinho sobre a experiência de escrever um chick-lit.
Quando o caminhão chegou para a entrega dos livros, meu coração disparou. Tive uma sensação inexplicável. Meu filho disse que eu estava parecendo uma criança que está recebendo de presente sua primeira bicicleta. Eu estava muito ansiosa, e fiquei tão feliz. Em meu rosto estava estampada a felicidade. Meu livro seria um drama, mas gosto tanto de chick-lit que resolvi transformá-lo em um, colocando situações engraçadas, mas sem fugir do assunto sério que o livro aborda.

2) De onde surgiu a idéia para escrever “Meu Marido Foi Embora. E agora?” A Helena, o Rodrigo ou o Cadu são parecidos com alguém que você conheça?
A ideia surgiu com a minha separação.
Sempre tive dificuldade para me abrir com as pessoas. Então, desabafava com a caneta e o papel. Comecei escrevendo o meu drama, depois surgiu a ideia de transformar tudo aquilo em um livro e eu esqueci o meu drama pessoal e passei a observar as mulheres separadas e suas dificuldades, como: trabalhar, cuidar dos filhos, se relacionar com outro homem, seu medos e aflições. Quando uma grande amiga se separou e pensou em acabar com a própria vida, eu achei que a história de Helena a consolaria. Contei a história para ela. Depois de ouvi-la, ela viu que o problema dela era bem pequeno. Naquele momento percebi que a história de Helena precisava ser contada para o mundo. A história de Helena não é a minha história, embora sua personalidade seja muito parecida com a minha. Ela tem muito de mim. É professora, separada, guerreira, batalhadora e mãe. Conheço muitos Rodrigos…rsrs… Tirei um pedacinho de cada um para criar o Rodrigo, marido de HelenaCadu é um sonho. Lindo, alto, romântico, companheiro, carinhoso, não tem filhos e sabe cozinhar…rsrs…

3) Qual sua maior semelhança e sua maior diferença com a Helena?
Minha maior semelhança com Helena é no quesito “ser mãe”. Sou mãe mesmoooo”. Gente, como mãe sofre pelos filhos. Já fui tão romântica quanto Helena, hoje não me vejo assim. Essa é nossa maior diferença.

4) Como é seu processo de escrita? Você é do tipo que senta e diz “agora vou trabalhar no meu livro” ou leva isso de forma mais despretensiosa esperando um dia de inspiração? Alias, pra você, um bom livro é fruto de uma boa idéia inicial ou de um árduo trabalho de lapidação das palavras e idéias até que se chegue num bom resultado?
Tenho um momento em que preciso ficar trancadinha e organizar as ideias. É o momento do “agora vou trabalhar no meu livro”. Escrever um livro é muito prazeroso, porém trabalhoso. Não é fácil. Mas não consigo acreditar que um árduo trabalho de lapidação das palavras vá gerar um bom livro. Um bom escritor tem que sentir prazer no que faz. Tem que deixar sua alma escrever, assim, as palavras certas vão surgindo naturalmente. É claro que nas inúmeras revisões lapidamos muitas palavras, mas sem tornar o exercício de escrever árduo. A arte de escrever tem que ser amena, branda e prazerosa
.
5) Você se considera uma bookaholic? Prefere ler ou escrever? Que livro está lendo no momento?
Sempre achei que fosse uma bookaholic. Sempre andei com um livro na bolsa. Tenho três na cabeceira da cama, um no carro (caso eu troque de bolsa e esqueça de colocar um livro nela). Mas depois que conheci algumas blogueiras, percebi que não leio tanto assim…rsrs…Adoro ler e, o fato de ler muito, tornou-me escritora. Vivo fases. Ora escrevo, ora leio. Estou em falta com a leitura. Acho que tem mais de um mês que estou lendo dois livros: TUDO POR UM POP ESTAR e LUA NOVA. Não consegui terminar por conta da ansiedade do lançamento do meu livro. Foram tantas coisinhas para providenciar, muitos e-mails para responder, trabalho com a divulgação, que deixei um pouco de lado a leitura. Ufa… Agora passou, o lançamento foi ontem e eu estou aliviada e com a sensação de dever cumprido. Embora eu saiba que outros virão. Ontem pela manhã quando estava dando uma palestra no teatro da UniMSB foi convidada para fazer uma outra palestra na Semana de Letras. Sei que muitos convites surgirão. Agora, tenho que me organizar e arrumar um tempinho para ler e escrever mais.

6) Cite três autores nacionais e três internacionais que você admira.
Nossa que pergunta difícil, porque são tantos! Vou começar com os autores nacionais: gosto muito da escritora Lygia Bojunga Nunes. Li seu livro A Bolsa Amarela e fiquei apaixonada. Já recomendei muito para os meus alunos, pois desperta o escritor que existe dentro de nós. Não poderia deixar de mencioná-la. Clarice Lispector e Pedro BandeiraAutores Internacionais são Marian Keyes, Shophie Kinsella e Nicholas Sparks.

7) Se tivesse que escolher um único livro para ler e reler pro resto da vida, que livro seria este?
A Cidade do Sol de Kaled Hosseini.

8) Temos algum novo projeto em vista? Está trabalhando em algum livro novo? Tem algo que possa nos adiantar a respeito?
Tenho sim. Já terminei um livro e estou na fase das revisões. Este livro é um livro voltado para adolescentes e é muito engraçado. Podemos classificá-lo como um Teen Chick-Lit . Ele conta a história de Camila, uma menina de 11 anos que odeia a Língua Portuguesa. Muitos adolescentes vão se identificar com Camila.

9) Fale-nos um pouquinho sobre a Campanha “Eu Me Divirto Lendo”.
Eu conheço pessoas viciadas em filmes, mas que nunca leram nenhum livro. Elas não sabem o quanto os livros são mais ricos em detalhes. A campanha foi criada para incentivar as pessoas a lerem mais e para mostrar que ler é tão divertido quanto a assistir um bom filme.

10) Que dicas você daria as pessoas que sonham em publicar um livro? Gostaria de deixar uma mensagem final aos leitores do Bookaholic?
Que não tenha medo. Se o seu sonho é publicar um livro, não o deixe trancado em um HD de computador ou em uma gaveta. Invista em tudo que você acredita! Para os leitores do Bookholic quero agradecer por estarem aqui, por lerem minha entrevista até o final e agradecer o carinho e apoio de todos. Gostaria também de convidá-los a esta leitura leve e divertida, mas ao mesmo tempo intrigante e tensa.


Entrevista para o blog ROMANCES E LEITURAS


Entrevista com o autor - Valéria Araujo, livro: Meu marido foi embora. E agora?


1) Por que você escreveu o livro?
Senti a necessidade de mostrar para algumas mulheres que, ser abandona pelo marido, não é o fim do mundo. Que é possível reconstruir a vida sozinha, e que, amar novamente é permitido e necessário.

2) Você teve apoio da família?
Sim. Mas minhas amigas da Faculdade foram as responsáveis pela coragem de publicar.

3) Como foi o processo de criação do livro?
Sempre escrevi secretamente em meus momentos de aflição. Quando me separei comecei escrevendo o meu drama. Depois refiz todo o texto e resolvi criar uma Heroína que supera o abandono, dando a volta por cima de uma maneira simples e surpreendente.
Escrever é uma grande loucura. Nós escritores, escrevemos e apagamos parágrafos e capítulos inteiros várias vezes.

4) Como foi o processo de produção do livro?
Difícil. O enredo do livro tinha ordem cronológica. Posteriormente, percebi que o primeiro capítulo, o qual queria disponibilizar no meu site para que todos pudessem conhecer um pouquinho da história, não iria causar impacto. Mudei o texto novamente.
Quando achei que o livro estava pronto, vi que o livro ficaria caro demais para um livro de estreia. Retirei vários capítulos.
É tudo muito difícil. Ser responsável por toda produção não é fácil. São muitas etapas: capa, revisão, ficha catalográfica, selo ISBN, diagramação, gráfica, divulgação e distribuição.

5) Como escolheu o tema do livro? Memórias pessoais, ou imaginação?
Um pouco dos dois.

6) Como está sendo feita a divulgação do livro?
Através dos blogs, Twitter, facebook, Orkut, palestras e eventos.

7) Como você se sente ao escrever?
É muito bom criar. É uma grande viagem.
Poder caracterizar um personagem e moldar sua personalidade é muito legal.
Quando li em algumas resenhas que fizeram do meu livro, que nunca tinham conhecido um personagem tão canalha como Rodrigo. Fiquei Maravilhada, pois era exatamente isso que queria passar.

8) Você tem alguma profissão além de escritor? Qual?
Sou professora e tenho uma tenda de açaí.
Infelizmente, um escritor iniciante no Brasil tem que fazer de tudo para se sustentar e, nas horas vagas, escrever.

9) Qual foi a sua maior dificuldade em publicar o livro?
Publicar um livro independente no Brasil é muito caro. Minha maior dificuldade foi pagar.

10) Você passou por obstáculos para publicar o livro? Quais?
Quando coloco na minha cabeça que vou executar um determinado projeto, enquanto não executo, não sossego. Foi assim com o livro.

11) O que você pensa à respeito do mercado editorial do Brasil?
É como jogar na loteria. Você joga e fica torcendo para um dia ganhar.
Nunca enviei um original para nenhuma editora, mas ouço falar que é um mundo fechado.
Agora que tomei gosto por essa coisa que se chama “escrever”, vou enviar todos os originais e vou aguardar o resultado.

12) Quais são as suas pretensões para o futuro do seu livro?
Espero vender todos e talvez publicar a continuação, que seria o futuro de Helena e Marina, mencionando um pouquinho mais de Cadu. Afinal, as leitoras querem conhecer mais o rapaz.


Rapidinhas...

Personagem literário do sexo feminino marcante: Laila (A cidade do Sol)
Personagem literário do sexo masculino marcante: Noah (Diário de uma paixão)
Melhor livro brasileiro: Dom casmurro
Melhor livro estrangeiro: A cidade do sol
Livro que marcou a infância: O caso da borboleta Atíria
Livro de cabeceira: Cien años de soledad
Livro que abandonou: Nenhum. Mesmo que não me agrade muito, leio até o final.
Livro que recomenda: Acabei de ler “O menino do pijama listrado” e recomendo.
Melhor livro que virou filme: Pearl Harbor

Citação de livro mais importante: " Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" – O Pequeno Príncipe.



Entrevista para o blog O QUE ELAS ESTÃO LENDO!?

MEU MARIDO FOI EMBORA, E AGORA? - Descubra com essa autora!


Valéria, como surgiu a ideia do livro?
Quando me separei fiquei muito deprimida e sufocava as pessoas contando todo o ocorrido, então, resolvi escrever como um desabafo. Não queria mais encher as pessoas com os meus problemas. Mais tarde, uma amiga me procurou, estava desesperada, porque o marido pediu o divórcio. Contei para ela o quanto foi dramática minha separação.
Depois disso ela viu que seu problema era bem pequeno. Claro que dei uma incrementada no drama para convencê-la de que existem pessoas passando por situações bem piores que a dela. Assim surgiu a ideia de escrever o livro. Mas a ideia de publicar surgiu na faculdade quando algumas amigas resolveram ler os capítulos nas horas vagas. Elas foram as grandes incentivadoras.



Por que é importante tocar nesse assunto?
Porque, na realidade, é isto que acontece. Casamos e esquecemos que temos uma vida própria. Parece que os nossos sonhos vão ficando para trás.

Que mulher vai gostar de ler seu livro?
Há quem diga que é apenas para as mulheres que já foram casadas e estão se separando ou já estão separadas. Mas eu recomendo para todas, pois, se apaixonar e querer estar perto de uma pessoa é fato. E muito provavelmente ocorrerá um casamento ou uma união estável. E é bem legal para aquelas que ainda não casaram saber até onde devem ceder.
Seria muito interessante que os homens lessem também,  para eles saberem o que NÃO devem fazer na separação. Pessoas que se escolhem para dividir metade de suas vidas ou grande parte delas, não podem terminar uma relação fazendo o que Rodrigo fez com Helena. Pessoas que dividiram vidas, dividiram cumplicidades, segredos, amor, amizade, fraternidade, planos. E os planos que fizeram para os filhos, morrem também?

O quanto você se identifica com a personagem?
Muito. Acredito nas pessoas, até que elas me provem o contrário. Porém, quando a confiança é quebrada nunca mais será colada. Termina mesmo. Sou guerreira como a Helena.

O que a mulher vai sentir ao terminar de ler seu livro?
Passará a refletir melhor na hora de escolher um companheiro. Que em um relacionamento é preciso separar a individualidade de cada um. Ambos podem trabalhar, ter amigos, sair, cuidar dos filhos. Helena esqueceu-se dela quando casou, confiando que seria bom para sempre. Só que, o casamento é um estado. Você não é casado, você está casado hoje, amanhã poderá não estar mais. E aí? E seus sonhos? E você? A pergunta que todas fazem é: “E agora?”.
 Terá um sentimento de revolta por Helena não ter vivido a sua própria vida. Sentirá ódio do Rodrigo e vai se encantar com Flor e, certamente irá se apaixonar por Cadu e Marina.

Já passou por alguma situação como a do livro?
Já. E o que mais me desesperou e ainda me preocupa muito é o fato de ter que criar um menino sozinha. Ter que ser pai e mãe não é fácil. Com um filho adolescente é bem mais complicado.







Ficção e realidade se misturam nesse romance que nós do "O que elas estão lendo!?" recomendamos para uma leitura rápida num sábado à tarde...
Quer saber mais? Visite o site da autora Valéria Araújo! www.valeriaaraujo.com





Entrevista para o blog FÚTIL MAS INTELIGENTE


Conheça Valéria Araujo e um chick lit nacional
 

Valéria Araujo, carioca, professora e atual estudante de direito nunca sonhou em ser escritora. Apaixonada por Chick Lit, começou a escrever por distração. Com o incentivo das amigas, surgiu “Meu marido foi embora. E agora?” que narra, com muito humor, o drama da separação de um casal, e o recomeço de “Helena”, nossa protagonista.


Quem é Valéria Araujo? Como você se definiria?
Nossa! Que pergunta difícil.
Bem, sou humilde, meiga, carinhosa, muito perseverante, quando não estou na TPM (momento em que sinto vontade de desistir de todos os projetos. Ainda bem que passa logo...rsrs...). Mas também sou geniosa e muito teimosa.


Meu marido foi embora. E agora? é seu livro de estreia. Como surgiu a ideia?
Comecei escrevendo o meu drama como um desabafo. Depois esqueci o meu drama e resolvi transformar o texto em um livro. A ideia de escrever o livro surgiu 5 anos após minha separação. Na realidade surgiu quando comecei o curso de Direito. Logo que comecei a estudar Direito Civil foram abordadas em sala de aula várias situações relacionadas à separação, e nos casos hipotéticos, observei que os homens buscavam sempre uma maneira de lesar suas companheiras. Aquilo me chamou a atenção. Comecei, então, a conversar com várias mulheres separadas com intenção de saber se os maridos que optaram em ir embora se tornaram inimigos após a separação. A pesquisa foi assustadora, pois, apenas 10% das mulheres entrevistadas tiveram apoio dos maridos depois de separadas. Com base na pesquisa e, na minha separação dramática, não foi difícil começar o texto.

O livro é uma publicação independente. Como foi o processo de escrita e publicação?
Pensei em escrever um drama. Escrevi cronologicamente, ou seja, Rodrigo e Helena se conhecendo, se apaixonando, se casando... O drama estava pronto, mas faltava alguma coisa. O quê? Foi a pergunta que me fiz inúmeras vezes. Faltava humor. Refiz todo o texto.
Quando decidi que deveria disponibilizar o primeiro capítulo no site, mais uma vez refiz todo o texto, pois o primeiro capítulo não era chocante o bastante para despertar o interesse dos leitores.
Não enviei para nenhuma editora. Resolvi publicar incentivada pelas amigas que leram e gostaram.
A publicação independente é um processo árduo, pois é caro demais e só podemos contar com os amigos para a divulgação.

Dizem que o primeiro livro é sempre um pouco autobiográfico. Podemos encontrar  Valéria em Helena?
Valéria não é Helena, mas tem muito dela: professora, divorciada, batalhadora, guerreira, supermãe.

Você tem projetos de novos livros? O que podemos esperar?
Tenho sim. “Meu marido foi embora. E agora?” terá continuação, só que desta vez quem abandona Helena é Marina. O nome provisório do livro é: “Minha filha foi embora. E agora?”. Sendo que, antes de publicá-lo, vou publicar um livro para adolescentes que já está na fase de revisão. Acho que incorporar uma pré-adolescente de 11 anos, depois de viver a dramática Helena vai ser fantástico.

Fale sobre a campanha Eu me divirto lendo.
É expor a ideia de que ler realmente é divertido. Tão bom quanto assistir a um filme.
Meu livro tem o selo da campanha. Penso em fazer camisetas para sortear em eventos literários e blogs, divulgando assim, a campanha.

Quais são seus livros/autores preferidos?
Livros são muitos e autores vou citar apenas alguns: Gabriel García Márquez, Isabel Allende, José Saramago, khaled hosseini, Marian keyes, Meg Cabot, Helen Fielding, Nicholas sparks, john grisham.


O que você acha do mercado literário no Brasil?
Acho muito fechado, mas acho também que a Internet e as blogueiras estão ampliando o mercado. Penso que, com a Internet, não precisamos mais ficar esperando a boa vontade de uma editora nos descobrir. Agora podemos colocar a carinha para fora e gritar: EU ESTOU AQUI! 

Muito obrigada pela entrevista Valéria, gostaria de deixar uma mensagem para os leitores gaúchos?
Quero agradecer a todos que leram a entrevista e aproveitar para convidá-los para uma leitura leve, rápida, dramática e divertida.

Quer saber mais sobre a Valéria e o livro? Acesso o site da autora, lá você encontra fotos, novidades e ainda pode comprar o livro, diretamente com a autora que é um amor!  Acesse aqui.

Postar um comentário

Deixe seu comentário!

Valéria Araujo © . Design by FCD.